domingo, 23 de maio de 2010

Sonhos Coloridos


Branco era um menino tímido e inseguro. Não tinha amigos. Era fraco, sem graça, lhe faltava apelo.
Todos os dias assistia de longe às crianças brincarem, invejava a facilidade com que se sujavam e sentia muita vontade de chorar. Era o único espectador da sua infância solitária.
Roxo, Azul, Rosa, todos pareciam tão vibrantes e alegres. Até mesmo Cinza, que tinha lá seus momentos de melâncolia, se dava bem com a garotada. Mas ele, como alguém iria gostar daquele moleque pálido e chato?
Até que numa manhã ensolarada, Branco percebeu um garoto encostado no muro, nunca tinha visto ele antes. Foi tomado por uma sensação estranha. Ver aquele menino era como ver seu reflexo e ao mesmo tempo seu extremo oposto.
Se aproximou por trás e num gesto inédito tocou seu ombro. Nunca havia tocado ninguém antes. Preto assustou-se, nunca antes havia sido tocado. Trocaram olhares, se estranharam e então se reconheceram. Riram, choraram, se abraçaram, se odiaram e se amaram. Tudo isso aconteceu numa fração de segundo. Naquele momento entenderam.
Deram as mãos e sairam correndo sem medo em direção aos outros meninos. Foram recebidos com entusiasmo e se misturaram ao arco-íris de crianças.
Hoje Preto e Branco são melhores amigos, comunicativos e divertidos, seguros de si. Têm conciência de sua importância: São a presença absoluta de tudo e a ausência total de nada.


4 comentários:

Filipe Ret disse...

DEMAIS. LINDO. PERFEITO. parabéns, linda!

Gastando os pensamentos disse...

nossa, lindo amiga! adorei!

patricia lima disse...

Olá Luna,

gostei do seu conto. Bel legal! Leve, gostoso de ler e com desfecho inusitado. Espero outros.

bjs

BGD disse...

Arrasou!
Muito bom Luna!
Ficou lindo!
Um minuto da minha vida bem gasto.
Espero mais!

Agora, preciso comentar o comentário da ''Crara''... Baroni? HAuhauhuhahhahau...
ADEVOGADA!

beijos